Graphilor 3 ® – Grafite Isostático

Graphilor®3 Mersen
isostatic graphite manufacturing Mersen

Grafite Impregnado

Uma empresa experiente há mais de século na fabricação de grafite, a Mersen desenvolveu o avançado grafite isostático com tamanhos de grão, de até 20 mícrons: Graphilor®3.

Graphilor® 3 é o único grafite impregnado resultante da combinação entre o grafite isostático e uma resina específica. Possui as mais altas propriedades mecânicas, certificadas pela TÜV e pode suportar temperaturas extremas. A Mersen oferece o Graphilor® 3 em três formas, dependendo da aplicação final do produto,  com base em várias impregnações (fenólica, carbono e PTFE) que garantem a impermeabilidade, a resistência à corrosão e temperatura, bem como a estabilidade a longo prazo.

Contato em

3 products

Graphilor 3 XBS (Resina a base de Fenólica)

Graphilor 3 XBS (Resina a base de Fenólica)

Aplicado em 80% das situações corrosivas, com limite em 220°C e excelente resistência a corrosão

carbon impregnation graphilor xc Mersen

Graphilor 3 XC (Resina a base de Carbono)

Perfeita solução para altas temperaturas em até 430°C.

PTFE impregnation - graphilor xth Mersen

Graphilor 3 XTH (Resina a base de PTFE)

A maior resistência a corrosão entre os grafites impregandos

Propriedades Graphilor®3

  • Excelente qualidades refratárias e propriedades mecânicas
  • Muito boa condutividade térmica e resistência a temperatura
  • Não contaminante
  • Excepcional resistência à corrosão

TEMPERATURA E ESTABILIDADE A LONGO PRAZO

  • Resina altamente reticulada (BS)
  • Resina tratada a alta temperatura (C)
  • Resina de PTFE (TH)

Grafite sintético, a base do Graphilor

O grafite artificial é fabricada a partir de uma mistura de grafite, piche e outros. Após a moldagem e queima em um ambiente inerte a cerca de 1.000 ° C, é obtida uma forma intermediária amorfa e dura de carbono que não conduz muito bem o calor ou a eletricidade.

Ao aquecê-lo a cerca de 3.000 ° C na ausência de ar, o carbono é purificado e cristalizado de forma suave e oleosa, conduzindo eletricidade e calor que podem suportar corrosão química e temperaturas muito altas. Isso é grafite artificial ou eletrografite.

Podem ser produzidos componentes medindo até meio metro cúbico. A primeira patente de grafitação foi registrada por dois engenheiros que trabalhavam na Société Le Carbone em 1893.